Viajantes

A magia acontece quando partimos à descoberta do mundo

Uma viagem não é um destino, mas um conjunto de experiências, histórias e memórias que sobrevivem à passagem do tempo e se transformam numa parte indelével da vida do viajante.

Descobrir o mundo sozinho e, pelo caminho, (re)descobrir-se a si próprio é uma oportunidade extraordinária. Usufruir da nossa liberdade, respeitar o nosso ritmo, dedicarmo-nos de alma e coração a uma das nossas paixões ou simplesmente conhecer pessoas novas é uma fonte inesgotável de energia e renovação. Seja um fim de semana cultural numa cidade italiana, um retiro espiritual nos Himalaias ou uma viagem de comboio no Alaska, nada, dentro de nós, voltará a ser igual. Atreva-se!

Uma viagem em conjunto é dos melhores presentes que podemos oferecer à nossa família. Assistir ao voo dos nossos filhos, testemunhar o seu deslumbramento perante a imensidão do mundo, é uma experiência única, fascinante e com muito impacto para todos. Pelo caminho, cimentamos valores, desenvolvemos competências e aprendemos juntos. Unir várias gerações numa experiência de descoberta reforça os laços, enriquece a antologia familiar e constrói memórias que serão pilares para o resto da vida.

Uma viagem a dois é sempre uma experiência deliciosa. Seja a clássica viagem romântica – uma escapadinha de fim de semana, uma lua de mel ou a celebração de uma data especial – seja uma viagem de pai e filho, avó e neta ou melhores amigos, as possibilidades são infinitas e os laços perduram para sempre. Uma praia paradisíaca, um fim de semana cultural ou uma aventura no deserto, o cenário é sempre perfeito para a partilha e a cumplicidade que uma viagem a dois proporciona.

Algo especial acontece quando descobrimos o mundo com os nossos amigos. Grupos de jovens que se lançam nos primeiros voos independentes, amigos que partilham interesses comuns, vários casais ou muitas famílias, tudo pode acontecer quando nos juntamos para desfrutar do mundo em conjunto. Jamais será esquecida a partilha do espanto, dos risos e do cansaço, a aprendizagem conjunta, a cumplicidade das memórias comuns, das histórias construídas e dos segredos partilhados.