Livros“Out of Africa”

IMG_1607 (002)
Paisagem
lisa-h-sbyAvreann4-unsplash (1)
IMG_4958
IMG_4727
sergey-pesterev-DWXR-nAbxCk-unsplash (4)

Karen Blixen (1885-1962) foi uma escritora dinamarquesa que viveu no Quénia e ficou sobretudo conhecida pelo livro “Out of Africa”, publicado em 1937.

Foi para o Quénia (então uma colónia inglesa) em 1914 com o marido, Barão Bror von Blixen-Finecke. Instalou-se numa quinta nos subúrbios de Nairobi, onde criou uma plantação de café.

Já divorciada, apaixonou-se pelo piloto e caçador inglês Benys Finch Hatton, com quem viveu entre 1926 e 1931, ano em que este morreu num acidente de avião, e também o ano em que Karen regressou definitivamente à Dinamarca.

Foi já depois do regresso à Dinamarca que escreveu “Out of Africa”, livro de memórias sobre os anos passados no Quénia. O livro é uma celebração da sua vida em África, com os seus altos e baixos, a sua felicidade e sofrimento, e do amor que viveu com Banys. É também um relato da sua relação com a natureza e com as tribos locais, em especial os kikuyo, e um importante testemunho sobre a vida colonial da época.

O livro foi adaptado ao cinema em 1985 por Sydney Pollack. O filme, com o mesmo nome (em Portugal exibido sob o nome “África Minha”), contou com Meryl Streep e Robert Redford nos principais papéis, ganhou diversos óscares e é ainda hoje um dos mais conhecidos filmes sobre África.

Nos subúrbios de Nairobi é possível visitar a Casa-Museu Karen Blixen.

 

I had a farm in Africa at the foot of Ngong Hills.

Karen Blixen

No verão de 2019, acompanhei um grupo da Earlybird ao Quénia, onde fizemos voluntariado e pudemos sentir de perto o calor, as cores, os aromas e as sensações descritas por Karen Blixen. Vimos locais descritos no livro e onde decorreram gravações do filme, como as colinas de Ngong, o Grande “Rift Valley” e o Lago Nakuru, com os seus bandos de flamingos.

Levei o livro comigo.

Quando lemos o livro, imaginamo-nos facilmente no Quénia. Quando estamos no Quénia, sentimo-nos dentro do livro.

Aconselho tudo: ler o livro, ver o filme, ir ao Quénia!

Catarina Anastácio